Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008
Cafeína pode aumentar risco de aborto

   Um estudo publicado na revista científica "American Journal of Obstetrics" revela que a ingestão de 200 mg de cafeína por dia (o equivalente a dois cafés) pode ser o suficiente para provocar uma interrupção espontânea da gravidez.

   Segundo este estudo, o aumento do risco de aborto está associado directamente à cafeína e não a outros factores de risco como a idade da grávida ou o tabagismo.

   Sendo assim, aconselha-se que as grávidas se abstenham de cafeína nos primeiros 3 meses de gravidez, ou que diminuam o seu consumo para 100 mg/dia.

   É importante não esquecer que existem outras bebidas igualmente ricas em cafeína, como o chá ou os refrigerantes de cola. Ficam então os teores médios de cafeína para algumas bebidas:

1 café cheio - 125 mg cafeína

1 café médio - 115 mg cafeína

1 café curto - 104 mg cafeína

1 refrigerante de cola - 46 mg cafeína

1 chávena de chá - 36 mg cafeína

1 descafeinado - 2 mg cafeína

 

 

publicado por Cátia Pontes às 10:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2008
Sabia que...

    A cenoura actual, de cor laranja, é resultado de cultivos efectuados na Holanda, no século XVII, quando agricultores nacionalistas transformaram a planta, que antes era roxa, para que ele passasse a ter a cor da bandeira do país, um tributo a Guilherme de Orange.

tags:
publicado por Cátia Pontes às 16:07
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 13 de Janeiro de 2008
O consumo de beringela reduz os níveis de colesterol?

Não há evidências científicas de que o consumo de beringela (Solanum melongena L) reduza os níveis sanguíneos de colesterol. Embora haja procura de tratamento alternativo que combata a hiperlipidemia, já que os medicamentos para estes fins são caros e não isentos de efeitos colaterais, infelizmente, nem o sumo de beringela com laranja, nem as cápsulas comercializadas no Brasil contendo extrato seco da planta apresentaram os efeitos desejados.

    O interesse pela beringela está em supostas substâncias antioxidantes, como o nasunin, que poderia ter efeito favorável na peroxidação lipídica e na reversão da disfunção endotelial em modelos experimentais de hipercolesterolemia.

    Os resultados de estudos experimentais são controversos, pois alguns encontraram níveis diminuídos de colesterol sanguíneo após o uso da beringela e outros não. Os poucos trabalhos realizados em humanos não observaram nenhuma modificação. Num deles, por exemplo, em amostra randomizada e duplo-cega, voluntários hipercolesterolêmicos receberam cápsulas de extrato de beringela (total de 450 mg/dia) ou placebo durante 90 dias. Os resultados foram similares em ambos os grupos.

   O que é indiscutível é que a alimentação pode e deve contribuir para o tratamento da hipercolesterolemia. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, o tratamento dietético consiste em diminuir a ingestão de colesterol, com a redução do consumo de alimentos de origem animal, em especial as vísceras, leite gordo e derivados, charcutaria, peles de aves e frutos do mar (camarão, ostra, marisco, polvo, lagosta).

retirado do site www.nutritotal.com.br

publicado por Cátia Pontes às 22:38
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
.: Cátia Pontes
.: despensa

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

.: alimentarte aconselha
subscrever feeds