Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010
Dieta melhora sobrevida de pacientes que tiveram cancro de mama

Pesquisadores norte-americanos publicaram na revista Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention um estudo que mostra que uma dieta classificada de boa qualidade está associada a menores níveis de inflamação crónica em pacientes que sobreviveram ao cancro de mama.

Existem evidências de que hábitos de vida saudáveis, incluindo a qualidade da dieta, podem estar associados com melhor sobrevida em pacientes que tiveram cancro de mama.

Estudos científicos têm destacado a importância do valor prognóstico da inflamação e da resposta imune em mulheres em estágio inicial do cancro de mama. Entre as sobreviventes do cancro de mama, maiores concentrações de proteína C-reativa (PCR) e amilóide A sérica (SAA), que são marcadores de inflamação crónica, têm sido associados com pior sobrevida.

Estes biomarcadores relacionados à sobrevida são importantes para estudar a relação entre as escolhas dos padrões alimentares após o diagnóstico do cancro de mama e a inflamação crónica, pois alguns componentes da dieta possuem propriedades pró ou anti-inflamatórias.

Assim, o objetivo dos pesquisadores foi investigar como a qualidade da dieta está relacionada com biomarcadores da inflamação em mulheres sobreviventes ao cancro de mama e determinar se a actividade física pode modificar as associações observadas.

Participaram no estudo 746 mulheres com diagnóstico de cancro de mama em todos os estágios. As mulheres deveriam ter pelo menos seis meses de diagnóstico da doença e foram acompanhas durante trinta meses.

Os biomarcadores de inflamação analisados foram as concentrações séricas de proteina C-reativa (PCR) e proteina amiloide A sérica (SAA), além de hormonas produzidos pelo tecido adiposo, como a leptina e adiponectina.

Para avaliar o consumo alimentar durante os trinta meses, foi utilizado um questionário de frequência alimentar (QFA), desenvolvido e validado pelo Women's Health Initiative, conhecido como questionário WHI-FFQ,  adaptado pelo Health Habits and Lifestyle Questionnaire. Este questionário é capaz de detectar os alimentos relevantes para grupos populacionais multiétnico e geograficamente diversificado, produzindo com confiança as estimativas que correspondem ao consumo alimentar dos indivíduos.

A qualidade da dieta foi medida através do Healthy Eating Index-2005 (Índice de alimentação saudável - HEI-2005), que utiliza uma abordagem com 12 componentes alimentares considerados importantes para a qualidade alimentar (como sumo de fruta, frutas, vegetais em geral, vegetais verde-escuros e amarelados e legumes, grãos totais, grãos integrais, leite, carne e feijão, óleos, gordura saturada, sódio e por fim calorias de gorduras sólidas, bebidas alcoólicas e açúcares adicionados).

A classificação dos pontos foi feita em quartis (Q1 a Q4), em que quanto menor (Q1) a pontuação pior a qualidade da dieta e quanto maior (Q4), melhor a qualidade.

As mulheres que apresentaram melhor qualidade alimentar, quando comparadas com aquelas com pior qualidade (Q4 versus Q1), apresentaram concentrações significativamente mais baixas de PCR (1,6 mg/L versus 2,5 mg/L, p=0,004). No entanto, não houve diferença significativa nas concentrações de SAA, leptina e adiponectina.

Quando os pesquisadores avaliaram individualmente cada componente alimentar, os níveis mais altos no consumo de vegetais verdes-escuros e amarelados e legumes foram significativamente associados com menores concentrações de PCR. A dieta de melhor qualidade foi associada com menores concentrações de PCR mesmo entre as mulheres que não realizam actividade física. Os pesquisadores relataram que não foram encontradas evidências entre menor índice de massa corporal e menor concentração de PCR.

Afirmam os investigadores que “O nosso estudo preenche uma lacuna importante na literatura, definindo a inflamação como um mecanismo potencial pelo qual a qualidade da dieta pode afectar a sobrevida, independentemente da idade, raça, consumo calórico, IMC e actividade física. Isso sugere que entre mulheres que sobreviveram ao cancro de mama, consumindo uma dieta de melhor qualidade, podem obter menores níveis de inflamação crónica e este factor está associado ao aumento da sobrevida”, comentam os pesquisadores.


Referência(s)

- George SM, Neuhouser ML, Mayne ST, Irwin ML, Albanes D, Gail MH, et al. Postdiagnosis diet quality is inversely related to a biomarker of inflammation among breast cancer survivors. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2010;19(9):2220-8.

 

- www.nutritotal.com.br

 

publicado por Cátia Pontes às 15:43
link do post | comentar | favorito
|
Alergias alimentares são mais comuns em quem nasce no Outono

"A probabilidade de uma criança desenvolver alergias pode estar dependente da época em que foi concebida, revela um estudo publicado no Journal of Epidemiology and Community Health.

Segundo os especialistas, os bebés cujos três primeiros meses no ventre da mãe ocorreram na Primavera são mais propensos a sofrer de alergias alimentares, tais como a leite ou ovos.

A investigação envolveu seis mil crianças finlandesas nascidas entre Abril de 2001 e Março de 2006. Foi verificado que, neste grupo, 18 por cento das crianças tinham alergias alimentares aos quatro anos.

Os investigadores constataram que, até essa idade, a sensibilidade a alergias alimentares varia de acordo com o mês de nascimento, aumentando cinco por cento em crianças nascidas em Junho ou Julho até dez por cento para as que nascem em Outubro ou Novembro.

Os especialistas acreditam que os fetos começam a produzir anticorpos na décima primeira semana de gestação e que os anticorpos para alérgenos específicos desenvolvem-se em 24 semanas.

Onze por cento das crianças cuja décima primeira semana de gestação foi em Abril ou Maio mostraram ser mais propensas a sofrer de alergias alimentares, o que, de acordo com os especialistas pode estar relacionado com o facto de essa ser a época em que as concentrações de pólen são mais elevadas. Já os bebés que viveram a décima primeira semana de gestação nos meses de Dezembro e Janeiro revelaram ser menos propensos a alergias alimentares."

 

Fonte: www.cienciahoje.pt

publicado por Cátia Pontes às 15:36
link do post | comentar | favorito
|
Foi assim...

...que comemorámos o Dia Mundial da Alimentação, aqui na Alimentarte! Com uma mesa recheada de iguarias saudáveis e apetitosas e na companhia de vários clientes e amigos. Aqui estão as fotos que comprovam:

 

 

 

 

 

Este bolo encantador e saboroso que se destaca na primeira foto, foi obra da Sandra José. Para quem ficou "apaixonado", visitem o seu facebook em "Doce da Terra", e fiquem a conhecer esta e outras maravilhas! E para os mais gulosos, aqui fica a receita...

 

125g farinha integral

125g farinha branca

2 c. chá especiarias em pó

250g açúcar mascavado

4 ovos

250g cenouras descascadas e raladas

200 ml leite

 

É só juntar tudo e levar ao forno...

 

Bom apetite!

publicado por Cátia Pontes às 15:23
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 20 de Outubro de 2010
Batatas podem fazer parte de uma dieta de emagrecimento

"Muitas pessoas evitam comer batatas quando estão a tentar perder peso por causa do seu alto índice glicémico, mas um estudo recente refere que é possível consumir o alimento e conseguir perder peso. O estudo foi apresentado no encontro anual da Sociedade Americana de Obesidade.

 

Investigadores da University of California, em Davis, e do National Center for Food Safety and Technology do Illinois Institute of Technology, em Illinois, EUA, analisaram 86 homens e mulheres obesos durante um período de 12 semanas, para medirem os efeitos de uma dieta com baixas calorias e com adição de batata. Os participantes foram divididos em três grupos, com diferentes valores calóricos, mas todos consumiam entre cinco a sete porções de batatas por semana.

 

“Os resultados do estudo confirmam o que profissionais de saúde e especialistas em nutrição dizem há anos: quando a questão é perda de peso, não se trata de eliminar certos alimentos ou grupos de alimentos, ao contrário, o que conta é a redução das calorias”, destacou a líder da investigação, Britt Burton-Freeman, em comunicado enviado à imprensa, acrescentando não existir provas de que as batatas, quando preparadas de uma forma saudável, contribuem para ganhar peso. “Na verdade, constatamos que podem ser parte de um programa de perda de peso”, concluiu."

 

Fonte: www.mni.pt

publicado por Cátia Pontes às 15:07
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 14 de Outubro de 2010
A Alimentarte comemora o Dia Mundial da Alimentação
publicado por Cátia Pontes às 22:53
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Outubro de 2010
Finalmente...temos Ordem dos Nutricionistas!
É com muito prazer que transcrevo esta notícia que saiu no site da Associação Portuguesa de Nutricionistas (www.apn.org.pt)! Esperamos que seja agora que deixemos de ter Psicólogos ou Engenheiros Alimentares a darem consultas de nutrição e que comece a haver alguma organização relativamente a preços, para não haver as famosas consultas "grátis" em que se sai de lá com uma mão cheia de suplementos alimentares, de bolso vazio e muitas vezes com menos saúde...
  
"No dia 8 de Outubro, foi aprovado o Projecto de Lei da criação da Ordem dos Nutricionistas.

 

Este projecto foi discutido em plenário no passado dia 19 de Março, tendo sido aprovado na generalidade a 25 de Março e seguiu para a comissão de especialidade (Comissão de Trabalho, Segurança Social  e Administração Pública), onde foi aprovado no passado dia 28 de Setembro.

 

Este processo iniciou-se há mais de 10 anos, pela mão Associação Portuguesa dos Nutricionistas (APN), sendo que em Janeiro de 2009, esta Associação, remeteu à Assembleia da República um estudo independente que aborda a necessidade de criação desta Ordem, em termos de realização de interesse público e seu impacto sobre a regulação desta profissão, e que contou com o parecer positivo do Ministério da Saúde, em Maio de 2009.

 

Os profissionais da nutrição estão satisfeitos com a criação da Ordem dos Nutricionistas que lhes permitirá desenvolver para a sua profissão, de interesse público, sujeita a requisitos de ordem deontológica, um mecanismo de auto-regulação profissional oficialmente estabelecido, incluindo poderes de auto-regulamentação e autodisciplina.

 

Os  cidadãos são os que mais sofrem as consequências de um mercado desregulado nesta área, sendo que a aprovação e instituição de uma Ordem permitirá uma protecção mais eficiente dos seus direitos e garantias.  

 

Alexandra Bento, Presidente da APN, lembra que “com a criação da Ordem dos Nutricionistas ficarão salvaguardados os direitos e as garantias do cidadão no que diz respeito à prática da Nutrição”. Refere ainda que “Esta era uma pretensão dos nutricionistas, já de vários anos”.

 

Alexandra Bento refere que “instituições como esta que se criou em Portugal, já existem noutros países, sendo que a que mais  se equipara à situação portuguesa é a do Conselho Federal de Nutricionistas do Brasil, que desempenha as funções de uma Ordem há mais de 40 anos e com muito sucesso.”
publicado por Cátia Pontes às 11:13
link do post | comentar | favorito
|
.: Cátia Pontes
.: despensa

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

.: alimentarte aconselha
subscrever feeds