Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2011
Peptídeos derivados de ovo diminuem a hipertensão

Cientistas da Universidade Autónoma de Madrid, Espanha, estudaram a capacidade vasodilatadora dos peptídeos obtidos após a hidrólise enzimática das proteínas da clara do ovo. Num artigo recente, demonstram que o seu estudo pode ter aplicações terapêuticas na prevenção e tratamento da hipertensão.

 

Nos últimos anos, vários estudos têm demonstrado que certos peptídeos, incluídos na sequência de determinadas proteínas alimentares, podem actuar modulando alguns processos fisiológicos, dando lugar a novas aplicações terapêuticas para prevenção ou tratamento de doenças crónicas.

 

Entre estas doenças destaca-se a hipertensão, um dos principais factores de risco cardiovascular. Um dos mecanismos envolvidos no desenvolvimento desta doença é o aumento da resistência vascular periférica, ou seja, o aumento da resistência ao fluxo sanguíneo em artérias de pequeno diâmetro responsáveis por controlar a resistência vascular.

 

Um grupo do Departamento de Farmacologia da Universidade Autónoma de Madrid (UAM), liderado pelo professor Mercedes Salaices, investigou, em colaboração com o Instituto de Investigação em Ciências da Alimentação (CSIC-UAM), a capacidade vasodilatadora dos peptídeos obtidos após hidrólise enzimática de proteínas da clara do ovo.

 

Este trabalho, publicado no “Journal of the Science of Food and Agriculture”, teve como objectivo investigar, em primeiro lugar, o efeito de vários peptídeos derivados a partir de um hidrolisado da proteína da clara de ovo sobre a função vascular em artérias de resistência de animais normotensos (com tensão arterial normal) e esclarecer o seu mecanismo de acção e, por outro lado, tentar estabelecer uma relação entre a posição de certos aminoácidos na sequência do peptídeo e o efeito vascular.

 

As sequências estudadas foram identificadas num estudo anterior pelo grupo de investigação da UAM e, algumas delas, mostraram propriedades inibidoras da enzima conversora da angiotensina e/ou antioxidantes in vitro e/ou actividade anti-hipertensiva.

 

Os resultados obtidos indicam que alguns dos peptídeos estudados produzem um efeito vasodilatador directo sobre as artérias de resistência, chegando a produzir, nalguns casos, até 70% de relaxamento. Além disso, os investigadores descobriram que a posição de certos aminoácidos na sequência dos peptídeos parece ser importante para o desenvolvimento de respostas fisiológicas e para a activação dos diferentes mecanismos que levam ao efeito vasodilatador.

 

De acordo com os cientistas, é necessário aprofundar o estudo das vias moleculares envolvidas no efeito vasodilatador destes peptídeos, bem como realizar um estudo do seu efeito sobre as artérias de resistência em modelos de hipertensão para que possamos pensar em utilizá-los como ingredientes em alimentos funcionais úteis na prevenção e tratamento da hipertensão.

 

Fonte: www.alert.pt

publicado por Cátia Pontes às 11:00
link do post | comentar | favorito
.: Cátia Pontes
.: despensa

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

.: alimentarte aconselha
subscrever feeds